Page 15 - Comunicar na Republica

Basic HTML Version

15
Enquadramento
Modernizam-se e expandem-se as redes de comuni-
cações postais e telecomunicações «na sequência das
reformas empreendidas pelo novo regime republica-
no, os serviços de correios, telégrafos e fiscalização
das indústrias elétricas passam a ter autonomia ad-
ministrativa e financeira sendo constituída (em 1911)
a Administração Geral dos CTT...».
1
É neste período, dos finais do seculo XIX, princípios
do século XX, que começa uma nova era das comu-
nicações em Portugal: da «galáctica de Marconi»
(..., ...) à era digital...
A 5 de outubro de 1910 proclama-se
a República em Lisboa.
Implanta-se em Portugal
e consolida-se...
«Estamos sobre um vulcão!/A audácia dos republi-
canos todos os dias aumenta:/Lisboa é nossa! – Ex-
clama Chagas. – Se os republicanos fizessem um
comício no alto da avenida e viessem por ali abaixo,
a república estava feita! – afirma o Silva Graça. E o
Porto e a Província? Perguntou ao Chagas. – Que me
1.
In
: «Cronologia dos principais eventos relativos à História
dos Correios e Telecomunicações».
No final do século XIX, com os efeitos da Revolução
Industrial, o progresso das artes técnicas, da ciência
e tecnologia, da construção de estradas, da evolução
dos transportes terrestres e marítimos, das carreiras
dos barcos a vapor aos caminhos de ferro e dos au-
tomóveis... os correios desenvolveram as comunica-
ções, criaram novos serviços, acompanharam o pro-
gresso – consolidaram o serviço postal.
A partir de 1880, decorrente da fusão das comuni-
cações postais com as comunicações telegráficas e
telefónicas, começa uma nova fase dos correios e
telecomunicações, o sucesso da utilização e interna-
cionalização da telegrafia elétrica: a inauguração, em
Lisboa, da primeira rede pública de telefone conces-
sionada à Edison Gower Bell Telephone Company of
Europe Ltd.; a concessão da rede telefónica para uma
companhia anglo-portuguesa de telecomunicações
(The Anglo Portuguese Telephone Company – APT);
o prosseguimento da extensão da rede de cabos
submarinos, com os nós de amarração aos arquipé-
lagos da Madeira e Açores e às colónias da África
Ocidental – a nossa conectividade internacional e o
nosso posicionamento geoestratégico são precurso-
res fundamentais para o nosso importante papel nas
redes mundiais de telecomunicações (redes de cabos
submarinos futuras) que muito contribuíram para o
princípio da grande modernização dos sistemas de
comunicações em Portugal.
Caminhos de partida (à chegada)
e/ou caminhos de chegada
(à partida)?
Joel de Almeida
FPC