Samuel Finley Morse, o telégrafo e o seu código

A 6 de janeiro de 1838, Samuel Morse (1791- 1872) demonstrou publicamente pela primeira vez o seu principal invento, o telégrafo, na Metalúrgica Speedwell, em Nova Jérsei.

Alguns anos antes, estava o pintor Morse a trabalhar no retrato de Lafayette, quando um mensageiro a cavalo lhe trouxe a notícia de que a sua esposa estava doente. No dia seguinte, recebia outra carta, informando que a mesma tinha morrido, subitamente. Esse triste desencontro de notícias fê-lo pensar que tinha de explorar meios para conseguir uma comunicação de longa distância mais fidedigna.

No regresso de uma viagem de navio da Europa para os EUA, quase ao acaso, Morse tomou conhecimento das novidades no campo da eletromagnética, em especial a ideia de André-Marie Ampère de criar um transmissor elétrico. Foi quando começou a pensar em construir um telégrafo elétrico.

Em 1835 construiu, então, o “Recording Electric Telegraph”, um aparelho que transmitia sinais a um quilómetro de distância.

Após ter desenvolvido o primeiro sistema prático de telegrafia, inventou o código a que foi dado o seu nome – código Morse – um sistema que utiliza uma combinação de pontos, traços e pausas para transmitir informações por meio de impulsos telegráficos ou visuais.

Samuel Morse foi premiado pelas suas descobertas com numerosas distinções vindas da maior parte do mundo.

No entanto, foi só em 1920-30 que o seu telégrafo que utilizava impulsos elétricos para transmitir mensagens codificadas, revolucionaria a comunicação de longa distância, atingindo o auge da sua popularidade.

Crédito imagem: Library of Congress