Página 3 - Códice nº6, ano 2009

É
objectivo da Fundação Portuguesa das Comunicações que a Códi-
ce seja um veículo instrumental de dialéctica entre passado, pre-
sente e futuro, um espaço onde se forja conhecimento e compre-
ensão de elos de causalidade entre os marcos que foram moldando
a nossa História, a memória de quem somos e para onde vamos.
Este ano, assinala-se a passagem de um século sobre a implantação
daRepúblicaPortuguesa.Trata-seporventuradeumdos períodosmais
marcantes de alterações políticas e sociais da História de Portugal.
Enformandoumanovaperspectivadeestar na sociedadeena sua rela-
ção com o mundo, reflecte uma mudança plena de significado em
termos de uma nova visão da relação do indivíduo com o colectivo
nacional.
O ano de 2010 e as Comemorações dos CemAnos da República repre-
sentamentão uma oportunidade para evocar as principais aspirações
das gerações que se empenharamempromover e realizar as grandes
causas da participação e do desenvolvimento do País.
Num sector tão abrangente como o das Comunicações, é difícil não
encontrar ligações com todos os principais momentos que foram
sendo vividos ao longo dos séculos. Porque é um sector moldado por
necessidades e exigência das comunidades,as suas histórias são fei-
tas de pedaços de História ligadas às vidas quotidianas das gentes
em cada momento.
Nestequotidianoemquehoje vivemos,nestemundodo séculoXXI feito
de vertigeme demudança, o passado deve ser percebido e saborea-
do no seu contexto.
A percepção de riqueza vivencial que vos propomos nesta revista
resulta justamente da coexistência de diferentes tempos,diferentes
realidades no tempo e diferentes ritmos e estéticas.
Esses são também os desafios que colocamos ao leitor, que se deixe
apanhar nas malhas da diversidade colocada na execução desta
Códice. E que desfrute de uma aposta que é espelho da filosofia do
nossoMuseu - uma visão eclética domundo,baseada na evolução da
nossa realidade, e dos seus reflexos na forma de comunicar e nas
tecnologias associadas à Comunicação.
.
editorial
José Luís C. Almeida Mota
|
Presidente do Conselho de Administração da Fundação Portuguesa das Comunicações