biblioteca

NOTA:  a Biblioteca reabre no dia 3 de abril  2017.

O conjunto de obras e documentação que hoje se encontra na Biblioteca da Fundação começou a ser constituído na sequência da publicação das «Instruções» do Ministro das Obras Públicas, João Gualberto de Barros e Cunha, de 4 de Dezembro de 1877, em que se aconselhava a criação de uma Biblioteca Postal. Logo no primeiro ano, ficou dotada de 400 livros, graças às contribuições de David Corazzi, um importante editor da época.

Com o surgimento da nova Organização dos Correios, Telégrafos, Telefones e Fiscalização das Indústrias Elétricas, em 1911, a biblioteca foi enriquecida numa perspetiva de apoio à formação técnica, tendo-se tornado obrigatória a recolha de Regulamentos, Instruções e demais legislação. Nessa altura recebeu também uma vasta bibliografia de carácter técnico sobre engenharia eletrotécnica, telegrafia, telefonia e eletricidade que fora recolhida por Paulo Benjamim Cabral, o Inspetor-geral dos Telégrafos entre 1888 e 1910.
Pela primeira vez foi nomeado um bibliotecário, cujo trabalho de sistematização resultou na publicação de um catálogo onomástico de parte das 3500 obras já existentes.

O primeiro regulamento surgiria apenas em 1920, pelo Decreto nº 6822 de 10 de agosto, e manteve-se em vigor durante várias décadas.

Em 1978 foi criado o Centro de Documentação e Informação dos CTT, com Biblioteca Central e uma rede descentralizada, para apoiar e dar resposta às necessidades de informação técnica e cultural do conjunto da empresa.

A Fundação, devido às suas obrigações estatutárias, passou a ser detentora, a partir de 1997, de grande parte deste património documental que se encontra integrado na atual Biblioteca. Foi esta a base da sua constituição, estando vocacionada, desde então, para o aprofundamento da temática das Comunicações com o objetivo primordial de apoio à investigação.

 Regulamento da Biblioteca